• English
  • Português

As the Global Initiative has emphasized in #AssassinationWitness, within the increasing global phenomenon of targeted assassinations, there is one emerging theme that merits particular attention. Environmental defenders and activists are among those most frequently targeted. The United Nations International Day of the World’s Indigenous Peoples falls on 9 August. Relatives and loved ones of Zezico Rodrigues Guajajara, assassinated earlier this year, share their memories of this committed Amazonian indigenous-rights leader and the fear for the future in their community.

On 31 March 2020, indigenous leader Zezico Rodrigues Guajajara, a teacher and defender of the rights of the Indians and the Amazon rainforest, was ambushed as he returned to his village, Zutiwa, on a motorcycle, in Arame, in the north-eastern Brazilian state of Maranhão. He was killed with a shotgun. It was the day after he assumed the leadership of the Coordination of Chiefs and Leaders of the Araribóia Indigenous Land.

As a member of Guardians of the Forest – a group of indigenous people dedicated to monitoring and inspecting the territory in order to clamp down on illegal practices – and director of an indigenous education centre, Zezico was rarely without company. But he had been alone on the that day. He had been receiving threats and had asked his companions not to accompany him any more, as he did not want to put them at risk.

‘It started in 2016, when they began targeting him,’ said Paulino Zutiwa, village chief and husband of Zezico’s niece, and a long-time friend of the teacher. ‘After the threats became serious and he realized that he wasn’t going to escape, he said to us: “From now on, I don’t want you to be with me any more. I could die any time and I don’t want to involve you in that.”’ 

Paulino said that since his friend’s death, things have not been easy in the village and had reported threats that he had received to the police. They have lost not only a great leader, but also a friendly, cheerful person who was always fighting for the collective. It was thanks to him that the community managed to acquire a school, a clinic, healthcare professionals, teachers and a community association.

In the months before his death, the threats had been increasing, and his older children had been urging him to leave the village and move to the city. ‘We warned him incessantly of the danger. But, for him, it was a much bigger thing at stake. I think he was able to lose his life: his cause was greater than his own life,’ said André Vinícius.

This issue is not new. Brazil is known to be one of the most dangerous countries for environmental activities in the world and has one of the highest murder rates among defenders of indigenous rights in the Amazon region. According to Global Witness, 90% of the killings in Brazil are in the Amazon area. The Pastoral Land Commission has reported that in 2019, 32 people were assassinated in the context of land conflicts, an increase of 14% against the previous year.

These murders are repeatedly connected to criminal networks and organizations that deploy violence and harassment to advance their illegal interests and fuel the deforestation of Brazilian Amazon forest. The illegal extraction of timber from the Amazon, which is largely located in Brazilian territory, is commonly carried out by criminal organizations that have the capacity to coordinate, process and sell the proceeds of this criminal activity. To achieve this goal, they resort to intimidation, violence – and ultimately killings.

The Araribóia Indigenous land, located in a part the Brazilian rainforest that has been replaced mostly by cattle ranches, has not escaped from this systematic practice. It has been continually targeted and attacked by loggers, who sew fear among the community. From November 2019 to March 2020, no fewer than five Guajajara indigenous people were murdered in Maranhão and, according to the Human Rights Society of Maranhão, since Zezico’s death, other indigenous people who had been close to him have been threatened.

Since President Bolsonaro took office in January 2019, on a ticket that included the promise to exploit the Amazon forest for mining and agriculture, the situation deteriorated for land defenders and indigenous people. The government’s anti-environmental agenda includes a pushback against the enforcement of environmental laws, and a critical stance has been taken against those in the frontline of the fight to preserve the Amazon. This creates an atmosphere of fear and may be encouraging more attacks on land defenders and their communities.

Impunity has also played a major role and paved the way for assassinations. Few cases are solved and those behind the murders are rarely brought to justice. A few months after Zezico’s murder, two suspects were arrested but as the investigations continue, the participation of others is not ruled out. One of the main suspicions is that the murder was motivated by internal conflicts in the village, triggered by vested interests of certain people and groups from outside in the illegal exploitation of indigenous territories. Their tactics appear to have been to coopt some members of the community and pit them against others.

Gilderlan Rodrigues da Silva, regional coordinator of the Indigenist Missionary Council, believes a gang is involved in the assassination and described how these groups operate. ‘The moves of these guys are very well planned,’ he said. ‘From those who are removing the wood within indigenous land, to those who drive tractors to transport the logs, the sawyer, those who prepare food and those who go hunting – all these people are involved in an illicit chain of activity. As are the businessmen who are behind the operations.’

In some areas, including the Araribóia indigenous land, non-indigenous people linked to the illegal timber industry have been marrying indigenous women, and feel entitled to challenge community dynamics, clashing with leaders. This was a constant source of concern for Zezico.

According to Silva, the activist had been opposing the presence of non-indigenous people in the villages, fearing their invasion would threaten the indigenous territories through illegal logging and hunting. ‘He was an excellent defender of his Amazonian territory. And thanks to his lobbying, and to God, he drew attention to the need to protect this territory. His concern was to preserve the territory for the next generations.’

The situation faced by land defenders is alarming in several other countries. As a study by Global Witness revealed, 2019 was found to be the deadliest year for land and environmental defenders: 212 people were killed for standing up against the exploitation of natural resources and for defending their homes. The worst countries in the ranking are the Philippines, where land defenders have been labelled as political criminals, and Colombia, which experienced a surge in assassinations in 2019 – equivalent to double the number of killings in the previous year. In a world in which the COVID-19 pandemic has exacerbated uncertainty and insecurity, the Global Initiative reiterates its call to the international community to view assassinations as a global phenomenon that is deployed by criminal groups as a form of coercion and control, and, in the case of Zezico, to silence those who are fighting for a safer and more sustainable world.

Subscribe

* indicates required

Do you agree to your e-mail being stored and used to receive the newsletter?

You can unsubscribe at any time by clicking the link in the footer of our emails. For information about our privacy practices, please visit our website.

We use Mailchimp as our marketing platform. By clicking below to subscribe, you acknowledge that your information will be transferred to Mailchimp for processing. Learn more about Mailchimp’s privacy practices here.

Zezico Rodrigues Guajajara: Assassinado por defender a Amazônia

Como a Global Initiative (Iniciativa Global) vem reiterando com a campanha #AssassinationWitness, dentro do fenômeno de assassinatos seletivos há um tema que merece atenção particular. Defensores do meio ambiente e ativistas ambientais estão entre aqueles que mais frequentemente são alvo desse tipo de crime. O Dia Internacional das Populações Indígenas do Mundo das Nações Unidas cai no dia 9 de agosto. Familiares e entes queridos de Zezico Rodrigues Guajajara, assassinado anteriormente nesse ano, dividem as memórias, o comprometimento de Zezico como líder e defensor dos direitos dos povos indígenas na Amazônia, bem como seus receios para o futuro da comunidade.

Em 31 de março de 2020, o líder indígena Zezico Rodrigues Guajajara, professor, defensor dos direitos dos índios e da floresta Amazônica, foi alvo de uma emboscada quando retornava para a sua aldeia, Zutiwa, a bordo de uma motocicleta, em uma estrada do município de Arame, no estado do Maranhão, no Nordeste do Brasil. Ele foi morto com um tiro de espingarda, sem chance de defesa, um dia depois de assumir a chefia da Coordenação dos Caciques e Lideranças da Terra Indígena Araribóia (Cocalitia).

Como membro dos Guardiões da Floresta — indígenas que se dedicam a monitorar e fiscalizar o território a fim de coibir práticas ilegais — e diretor do Centro de Educação Indígena Azuru, Zezico tinha por hábito andar sempre acompanhado. Mas estava sozinho naquele dia. Estava sozinho porque vinha recebendo ameaças cada vez mais diretas e, ao sentir que não tinha como evitar esse destino, pediu aos seus companheiros, pouco tempo antes, para não o acompanharem mais, pois não queria colocá-los em risco também.

‘Isso começou em 2016, que começaram a fazer tocaia para ele’, conta Paulino Zutiwa, cacique da aldeia, marido de uma sobrinha de Zezico e amigo pessoal do professor. ‘Depois que as ameaças começaram mesmo a apertar e ele viu que não ia escapar, ele falou para nós assim: “A partir de agora eu não quero que vocês andem mais comigo porque a qualquer hora eu posso morrer e não quero envolver vocês nisso daí, não”’.

Paulino conta que, desde que seu amigo morreu, as coisas não têm sido fáceis na aldeia e ele mesmo já reportou a polícia ter recebido diversas ameaças. Além da perda de uma grande liderança, todos também sentem tristeza pela ausência de uma pessoa simpática, alegre e que estava sempre lutando pelo bem coletivo. Foi graças a ele, segundo o cacique, que a comunidade conseguiu ter escola, enfermaria, associação, professores, médicos e outros agentes de saúde.

Nos últimos meses antes de sua morte, as ameaças se tornaram mais frequentes, e os seus filhos mais velhos vinham sugerindo que ele deixasse a aldeia e se mudasse para a cidade. ‘A gente avisou tanto. Mas, para ele, era uma coisa bem maior. Para ele, eu acho que a vida dele, ele podia perder a vida, mas a causa dele era maior do que isso’, diz André Vinícius.

A problemática não é nova. O Brasil é notoriamente conhecido por ser um dos países mais perigosos para ambientalistas ao redor do mundo e por apresentar as maiores taxas de assassinatos ocorridos entre defensores de direitos indígenas. De acordo com a Global Witness, 90% dos assassinatos desse tipo ocorrido no Brasil acontecem na região Amazônica. A Comissão Pastoral da Terra anunciou que em 2019, 32 pessoas foram assassinadas no contexto de conflitos por terra, o que representa um aumento de 14% em relação ao ano passado.

Esses assassinatos acontecem repetidamente em conexão com grupos e organizações criminosas que utilizam de violência e intimidação para alcançar seus interesses criminosos, o que inclui o desmatamento ilegal da floresta Amazônica. A extração ilegal de madeira da Floresta tropical, que é majoritariamente localizada no território brasileiro, é comumente levada ao cabo por organizações criminosas que tem a capacidade de coordenação, processamento e venda dos produtos frutos dessa atividade. Para atingir esse objetivo, eles recorrem a intimidação, violência – e em último caso a mortes.

A Terra Indígena Araribóia, localizada em parte da Floresta tropical brasileira que foi substituída em boa parte por cultivo de gado, não escapou à essa sistemática. Ela vem continuadamente sendo alvo de ataques por parte de madeireiros que espalham temor pela comunidade. Entre o início de novembro de 2019 e o final de março de 2020, cinco indígenas Guajajara foram assassinados no Maranhão e, após a morte de Zezico, segundo a Sociedade Maranhense de Direitos Humanos, indígenas que eram próximos a ele também foram ameaçados.

Desde que o Presidente Bolsonaro assumiu o cargo em janeiro de 2019, em uma campanha que incluiu a promessa de maior exploração das terras amazônicas para fins de mineração e agricultura, a situação para defensores da terra e dos direitos indígenas se deteriorou. A agenda anti-ambientalista do governo inclui o relaxamento da fiscalização ambiental e a adoção de uma postura crítica em relação àqueles que se colocam na linha de frente da preservação da floresta. Isso cria uma atmosfera de medo que pode estar encorajando mais ataques a defensores de terras e suas comunidades.

A impunidade também é um fator que contribui para esse tipo de assassinato. Poucos casos são resolvidos e os responsáveis finais raramente são levados à justiça. Passados alguns meses da morte de Zezico, dois suspeitos foram denunciados, mas como as investigações continuam, não está descartada a participação de outras pessoas. Uma das principais suspeitas é a de que o assassinato tenha sido motivado por conflitos internos da aldeia desencadeados por fatores externos, notadamente pessoas e grupos de fora interessados em explorar ilegalmente os territórios indígenas. As suas táticas parecem envolvem o aliciamento de alguns integrantes daquela comunidade, jogando-os uns contra outros.

Gilderlan Rodrigues da Silva, coordenador regional do Conselho Indigenista Missionário (CIMI), acredita que uma quadrilha está por trás do assassinato e descreve como esses grupos operam. ‘Os movimentos desses caras são muito bem articulados, e eles também são articulados,’ ele diz. ‘Desde aqueles que vão para o mato, aqueles que ficam retirando a madeira lá dentro da terra indígena, aqueles que dirigem trator para arrastar as toras, o serrador, aqueles que preparam a alimentação e aqueles que vão caçar, que estão fortemente armados, para alimentar todas as pessoas que ali estão cometendo aquele ato ilegal. E os empresários são aqueles que negociam’.

Em alguns territórios demarcados, incluindo a Terra Indígena Araribóia, não indígenas ligados à indústria madeireira ilegal têm se casado com mulheres indígenas e se sentido no direito de alterar as dinâmicas das comunidades, entrando em choque com as lideranças e criando rivalidades. Essa era uma constante fonte de preocupação para Zezico.

De acordo com Silva, o ativista vinha lutando para que as novas aldeias evitassem a presença de não indígenas, por temer esse processo de invasão que os territórios indígenas vêm sofrendo por conta da retirada da madeira e da caça ilegal. ’Foi um exímio defensor do seu território Amazônico. E graças a Deus e às denúncias que ele fazia, se voltava a atenção para a proteção do território. Um cara bastante preocupado não só com o território para si, mas também para as novas gerações.’

A situação para defensores de direitos humanos é alarmante em diversos outros países. De acordo com o estudo divulgado pela Global Witness, 2019 foi marcado como o ano mais mortal para defensores da terra e do meio ambiente: 212 pessoas foram assassinadas por se insurgir contra a exploração de recursos naturais e por defender suas terras. Entre os piores países do ranque estão as Filipinas, onde defensores de terra estão sendo até mesmo taxados como criminosos políticos, e a Colômbia, que experimentou um pico de assassinatos em 2019 – o número praticamente dobrou em relação ao ano anterior. Em um mundo em que a pandemia do COVID-19 exacerbou incertezas e inseguranças, a Global Initiative reitera seu chamado para a comunidade internacional passar a enxergar o fenômeno de assassinatos seletivos de forma global, utilizado por grupos criminosos como forma de coerção e controle, e, no caso do Zezico, para silenciar aqueles que estão lutando por um mundo mais seguro e sustentável.

Share this article